Débora Carvalho, 33 anos, morreu após ser esganada pelo marido dentro do Centro de Detenção Provisória de Caraguatatuba, litoral norte de São Paulo. Ela foi visitar o companheiro, que foi detido no ano passado após tentar matá-la, e acabou assassinada durante o horário de visita.

De acordo com a Polícia Civil, os agentes penitenciários relataram que no horário de saída das visitas no último domingo (10) perceberam que umas das mulheres que entrou no CDP não havia saído. Foi quando notaram que estava ocorrendo um tumulto no pátio do centro.

Segundo a SAP (Secretaria de Administração Penitenciária), os presos estavam agredindo o detento que matou a mulher com socos e pontapés. Segundo a polícia, Débora foi enforcada pelo marido com uma corda artesanal feita com sacos plásticos. A SAP informou que as testemunhas disseram que a vítima estava desacordada no banheiro de uma das celas. As causas da briga do casal devem ser investigadas.

A mulher chegou a ser levada para a unidade de pronto atendimento da cidade, mas não resistiu. O filho da vítima estava com ela e foi levado do local pelo Conselho Tutelar. O preso foi encaminhado ao Distrito Policial de Caraguatatuba para prestar depoimento. Ele estava no CDP desde 12 de setembro de 2015 e vai responder, em outra unidade prisional, por homicídio qualificado.

Segundo a SAP, a mulher constava como companheira na lista de visitas do preso e possuía toda documentação necessária (inclusive com autorização para visita íntima dentro da cela), comparecendo por livre e espontânea vontade ao CDP para as visitas.

Mulher vai visitar marido na cadeia e acaba assassinada por ele dentro da cela

Comentários

Comentários

Classificado como:

Uma ideia sobre “Mulher vai visitar marido na cadeia e acaba assassinada por ele dentro da cela

  • 17/08/2017 em 12:56 pm
    Permalink

    Gente não julguem sem saber de o pq ela ainda ia vizitar esse monstro, pois por experiência propria pois ja sofri muita agressão do meu ex existe a agressão fisica e a psicológica e não sabemos o que esse crápula falava pra ela. Pra ela ainda ir visita-lo infelizmente a agressão psicológica ainda e pior

    Resposta

Deixe uma resposta